Você já parou para pensar na importância das vendas virtuais neste novo começo? Afinal, a pandemia do coronavírus já está trazendo enormes mudanças. Não somente os impactos da pandemia afetam a economia, mas também mudam o próprio comportamento do público.

Empresas sempre buscam seguir as tendências que o público considera importante. E as vendas virtuais estão tendo grande destaque. Por exemplo, em 2019, o e-commerce brasileiro faturou mais de R$ 75 bilhões, com um crescimento de 22,7%.

Então, uma tendência que já era forte, e cresceu ainda mais durante a pandemia do novo coronavírus. Portanto, continue a leitura para entender a importância das vendas virtuais neste novo começo.

Consumidor cada vez mais depende das vendas online

Durante apenas o primeiro mês de pandemia, ocorreu uma alta de 30% nos pedidos por aplicativos. Isso faz todo sentido, afinal, o isolamento social significa que o delivery é a única forma de receber os produtos.

Por isso, mercados, farmácias, hortifrutis, restaurantes, bares e diversos outros negócios se adaptaram a realidade e começaram a investir mais nas vendas virtuais.

O que ocorre é que as vendas virtuais, deixam de ser necessidade e passam a ser comportamento.

Por enquanto, todo mundo precisa comprar online. Depois que a pandemia acabar, todo mundo vai passar a querer. Uma vez que o público aproveite as vantagens deste modelo e incorpore este comportamento, certamente vai crescer ainda mais.

O resultado? Uma tendência que já era forte e que foi acelerada.

Quer conhecer mais sobre as tendências e comportamento do público? Então, confira o nosso e-book completo sobre o assunto!

Perigo da volta do coronavírus

Além desse aspecto comportamental do usuário, existe outro componente, que é o próprio coronavírus. Sem vacina, a única forma de garantir um bom nível de segurança é por meio da imunização em massa. Enquanto isso não acontece, sempre existe o risco de ele voltar.

Imagine como isso afeta negócios como shoppings e bares? Os primeiros recebem milhares de pessoa por dia, e mesmo que as restrições de quarentena sejam aliviadas, uma boa parte do público pode ter receio de frequentá-lo.

E os cinemas? Já foram quase 600 salas fechadas, por conta do coronavírus, combinado com o comportamento do público de, cada vez mais, preferir opções como o Netflix, Amazon Prime, YouTube e diversos outros.

A ideia de ambos os exemplos é a mesma, uma tendência do público que é acelerada pelo coronavírus. Por exemplo, será que, mesmo depois que a pandemia acabar, o público ainda vai querer ficar trancado por duas horas em uma sala de cinema com dezenas de outras pessoas?

Importância das vendas virtuais nesse novo começo?

Por conta disso, as vendas virtuais se tornam uma maior prioridade, de modo a atender este comportamento do público. Shoppings e suas devidas lojas precisam ter formas virtuais de atender os clientes. Bares podem apostar em aplicativos como o Zé, criado pela Ambev, para fazer a entrega de bebidas bem rápida.

O coronavírus apresenta um desafio para as empresas, que precisam se adaptar e se reinventar. Este é o próximo grande desafio, uma vez que a pandemia acabe.

Por isso, a importância das vendas virtuais neste novo começo é tão grande, pois é muito provável que esta seja uma demanda do público.